terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Videologística [1]

Apesar do acúmulo de trabalhos do mestrado (só neste carnaval terminei o fichamento de dois livros e um trabalho de estatística...), inicio aqui uma nova série de postagens no blog.

A "vídeologística" vai apresentar, em conteúdo multimídia, assuntos relevantes sobre logística, visando ampliar a compreensão sobre o tema.

O primeiro vídeo atende a um objetivo já mencionado aqui, que é direcionar ao menos uma parte dos conteúdos no caminho de uma visão "pedagógica" ou "acadêmica" da logística. Esclarecendo dúvidas sobre o tema e fazendo-o área de interesse por estudantes e profissionais em geral.

Neste mesmo sentido, um dos primeiros textos que publiquei aqui, O Profissional de Logística, é até hoje o mais comentado do blog, principalmente em vários e-mails que recebo pedindo informações adicionais sobre o tema.

Por tudo isso, o primeiro conteúdo desta nova série é um pequeno vídeo do youtube (2 minutos) que retrata, de forma sucinta, porém objetiva e de fácil entendimento, o que é ser um profissional de logística.



video

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Mudanças no transporte coletivo em SC

Reproduzo, a seguir, matéria disponível no site do Jornal Diário Catarinense. Meus comentários estão após o texto.

Empresas de transporte de Santa Catarina passarão por sistema de concorrência
Agência que regulamenta setor entende que as atuais concessões estão vencidas

O transporte interestadual de passageiros em Santa Catarina poderá sofrer mudanças a partir do ano que vem. As 141 ligações que partem do Estado para outras regiões do país farão parte de uma concorrência pública nacional de concessão prevista para ser aberta em junho. É a primeira vez que o governo federal fará esse tipo de contratação por disputa. O valor da tarifa será a principal regra.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) entende que as atuais concessões para o transporte estão vencidas. As empresas que já operam deverão candidatar-se à continuidade do serviço. A intenção do governo é qualificar a área e intensificar o controle do sistema. A redução no valor da passagem está entre as expectativas, o que já provoca reações das empresas. Mas também serão levados em conta a frota de veículos, capacitação de motoristas e satisfação de usuários.

As 141 ligações de Santa Catarina que serão ofertadas têm mais de 75 quilômetros de distância entre as cidades. Há expectativa de que as novas concessões reduzam os acidentes. Santa Catarina liderou pesquisa nacional do Ministério da Saúde como o Estado com maior número de mortes no trânsito.

— A melhoria pode acontecer também com o controle maior que teremos sobre a frota de ônibus, que não deve ter mais de 10 anos, e a fiscalização sobre os ônibus piratas (clandestinos), de fretamento e turismo que estão irregulares — disse nesta sexta-feira em Florianópolis a superintendente de serviços de transporte de passageiros da ANTT, Sonia Haddad.

Deter prepara estudo em parceria com UFSC

A Capital sediou a reunião regional do Sul do país da ANTT com empresários do setor, órgãos estaduais e sindicatos da categoria. O presidente interino do Departamento Estadual de Transportes e Terminais (Deter), Tufi Michreff, disse que o órgão está finalizando um estudo em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) para abrir a concorrência de quase mil linhas intermunicipais, pois essas concessões também venceram.

O presidente lembrou que as empresas estão em dificuldade e a inadimplência com o Estado cresceu. Só com a enchente do ano passado, calculou, as empresas tiveram prejuízo de R$ 10 milhões.

Dificilmente as empresas vão aceitar a redução da tarifa. Renan Chieppe, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati), disse que isso poderia trazer consequências gerais como a qualidade do serviço.

Já há algum tempo não sou usuário regular de transporte coletivo, todavia, lembro-me bem da precariedade deste tipo de serviço quando precisei dele (com algumas honrosas exceções). Através de consultas a pessoas que ainda se valem deste meio de transporte, percebo que a situação não mudou muito.

Um exemplo pessoal ilustra bem a situação. No meu deslocamento à Florianópolis para o mestrado, rodo cerca de 460 Km (ida e volta). Meu carro consegue, com álcool, uma média de 9,5 Km/l, a um custo médio de R$ 1,67 / litro de álcool (o custo é médio porque na minha cidade pago R$ 1,79 o litro, enquanto na viagem consigo abastecer até por R$ 1,55 / litro). Fazendo as contas, gasto aproximadamente R$ 81,00 por viagem em combustível.

Consultando o valor da passagem rodoviária de Rio do Sul à Florianópolis (distância um pouco inferior a 200 km, ou 400 Km ida e volta), o preço por viagem gira em torno de R$ 40,00. Ou seja, considerando ida e volta o custo da viagem de ônibus equivale ao de combustível para me deslocar de automóvel.

Sim, há as demais despesas com a manutenção do veículo, desgaste, etc. Mas de ônibus ainda teria que ir e voltar da cidade de Rio do Sul (viagem cerca de 35 Km - 70 Km no total), encontrar e pagar por um local de estacionamento. Em Florianópolis, teria ainda que pagar táxi ou ônibus do terminal rodoviário até chegar à UDESC, onde estudo.

Além disso, ficaria dependente dos horários de ônibus, nem sempre confiáveis (isso sem mencionar o serviço precário, com veículos muitas vezes mal conservados, sujos e velhos), enquanto com meu automóvel posso viajar controlando melhor o tempo de deslocamento, os pontos de parada, etc.

Em resumo, não compensa, no meu caso e ao preço atual, o deslocamento por transporte coletivo.

Até que ponto análises como esta ajudam a explicar o grande número de veículos trafegando nas rodovias, tendo como consequência a elevação do número de acidentes, da poluição, etc?

Particulamente entendo que há uma relação direta entre a qualidade dos serviços de transporte e o volume de veículos em trânsito.

Por isso, mesmo entendendo a posição das empresas de transporte coletivo, acho extremamente válida a decisão de rever as concessões no estado de Santa Catarina.

Precisamos melhorar as condições de utilização deste serviço, oferecendo preços justos e serviços de qualidade, pois hoje, em meu ponto de vista, não desfrutamos de nenhum destes benefícios...

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Livro do mês [7]


O livro: Gestão de logística, distribuição e trade marketing é um excelente guia para a compreensão da logística e de seus reflexos no dia-a-dia das organizações.

Escrito por professores da Fundação Getúlio Vargas, ele apresenta didaticamente e através de exemplos claros, os principais tópicos relacionados à logística, incluindo seus impactos na economia atual, os conceitos básicos sobre o tema, a aplicação das tecnologias da informação na logística, os canais de distribuição e o trade marketing.

De leitura leve, pode servir como livro introdutório a quem não está familiarizado sobre o tema, mas deseja (ou necessita) entende-lo.

Neste sentido, o livro é uma grande contribuição para o estudo da logística do Brasil, pois consegue sintetizar os conteúdos mais importantes da área e apresentá-los de forma acessível a todos, permitindo ainda também ser utilizado em cursos das área.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Novidades sobre o blog


Não gosto de escrever em primeira pessoa, entretanto, em algumas circunstâncias isto é inevitável. Primeiro quando é preciso expressar uma opinião própria, como acontece em alguns posts, e segundo, quando há necessidade de informar sobre questões pessoais.
Então vamos lá: quem ler o perfil aí ao lado irá perceber uma mudança, que é a inclusão do rótulo de "mestrando em administração pela Universidade do Estado de Santa Catarina".
No início do ano passado, a decisão de me dedicar profissionalmente ao magistério superior exigiu mudanças, dentre as quais a preparação para o mestrado, indispensável hoje para quem atua na área. Após prova e entrevista, fui selecionado para a turma 2009 deste curso, reconhecido como um dos melhores do estado. As aulas iniciam hoje, dia 02/02/2009 em Florianópolis.
Assim, fica óbvio que a dinâmica do blog será alterada, visto que o árduo trabalho necessário a um mestrado irá reduzir o tempo que terei disponível para me dedicar a este espaço, mas prometo continuar atualizado sempre que houver uma folga. Aliás, como minha pesquisa para dissertação deverá tratar da área de logística, com certeza aproveitarei os temas para comentar aqui.
Um dos objetivos é, inclusive, tratar com maior ênfase a logística sob o aspecto acadêmico, sem no entanto se tornar apenas téorico, mas sim fazendo a relação dos temas com a prática profissional na área. Afinal, tenho recebido muitos e-mails de estudantes preocupados com seu futuro como profissionais de logística.
E fazendo um contraponto a tudo isto, agora o conteúdo do blog pode ser acessado também através de um dos principais sites de logística do país, o Webtranspo.
Como esta portal se dedica a atualizar notícias sobre a área, deixarei de publicar a série "logística na semana", visto que ela se tornará obsoleta diante do conteúdo disponível no site-parceiro, e que nunca consegui dar o ritmo desejado à atualização de notícias.
Desejo continuar recebendo a visita de todos. E agora, vou aos livros...

Resultado da Enquete

A última enquete realizada no blog Logística 8 perguntou: "Qual deveria ser a prioridade logística do Brasil em 2009?".

Os resultados foram os seguintes:

Melhorar a infra-estrutura rodoviária: 40%
Ampliar os aeroportos: 15%
Modernizar os portos:10%
Incentivar o transporte multimodal: 35%

Analisar estes resultados é um esforço interessante. A opção por "melhorar a infra-estrutura rodoviária" foi a mais votada, o que, em minha opinião, reflete a preocupação do público deste blog -na maioria profissionais ou estudantes de logística - com as condições do mais importante modal da matriz de transportes brasileiras.

É importante ressaltar que cerca de 60% da movimentação logística do Brasil acontece no modal rodoviário, logo, qualquer prejuízo às rodovias podem trazer consequências graves ao país, principalmente no aspecto econômico.

A saída que se impõe para atender este objetivo é a privatização das rodovias, visto que é notória a incapacidade pública de investir fortemente na área. O tema privatizações já foi abordado aqui, e certamente será retomado em algum momento.

Outro destaque da pesquisa foi a grande preocupação com o transporte multimodal, o que demonstra a qualificação dos leitores do blog, que conhecem bem esta alternativa, ainda misteriosa para o público em geral, mas tida como esperança de melhoria pelos profissionais da área.

O transporte multimodal também merecerá um post a parte em breve.